Considerações paleoambientais relacionadas à vegetação do Parque Nacional do Iguaçu

Autores

  • Renan Valério Eduvirgem
  • Mauro Parolin
  • Marcelo Galeazzi Caxambu

DOI:

https://doi.org/10.17271/1980082716720202678

Resumo

 

Compreender a paleovegetação torna-se cada vez mais necessário, haja vista que entender a evolução da vegetação permite-nos inferir paleoclimas, pois a vegetação é dependente de vários fatores, sendo o clima um dos principais. Esse trabalho tem como objetivo recuperar e analisar os fitólitos em cinco horizontes de solo de uma trincheira aberta no Parque Nacional do Iguaçu, Paraná, com propósito de obter conhecimento inicial sobre a assembleia fitolítica preservada. Os procedimentos metodológicos pautaram-se em trabalho de campo e procedimentos laboratoriais para recuperar os fitólitos conservados em solo. Encontrou-se as morfologias “Tree”, “Bilobate chusquea”, “Rondel”, “Saddle”, “Globular echinate”, “G. granulate”, “G. psilate”, “Pteridophyte” dentre outras morfologias. Concluiu-se que durante o Holoceno a vegetação no Parque Nacional do Iguaçu tinha como predomínio a vegetação florestal em relação à vegetação herbácea.

   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renan Valério Eduvirgem

    

Mauro Parolin

  

Marcelo Galeazzi Caxambu

 

Downloads

Publicado

2020-12-08

Como Citar

Eduvirgem, R. V., Parolin, M., & Caxambu, M. G. (2020). Considerações paleoambientais relacionadas à vegetação do Parque Nacional do Iguaçu. Periódico Eletrônico Fórum Ambiental Da Alta Paulista, 16(7). https://doi.org/10.17271/1980082716720202678

Edição

Seção

Artigo Completo