A INSUSTENTABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL DO AGRONEGÓCIO: A TERRITORIALIZAÇÃO DO COMPLEXO CELULOSE-PAPEL NA REGIÃO LESTE DE MATO GROSSO DO SUL

Autores

  • Rodrigo Simão Camacho

DOI:

https://doi.org/10.17271/19800827872012327

Resumo

Este artigo está relacionado com o projeto aprovado pelo CNPq que tem como título: “A formação do vale da celulose: desdobramentos socioterritoriais do plantio de eucalipto na região Leste de Mato Grosso do Sul”. O objetivo do artigo é discutir a insustentabilidade do agronegócio, mais especificamente, do setor de celulose-papel. O agronegócio, pelas suas características principais: a concentração de terra e renda, a monocultura, o uso intensivo de agrotóxicos, a mecanização, a produção de commodities, exploração intensa da mão de obra, o uso de transgênicos etc. mostra-se um modelo insustentável. As características predatórias do agronegócio são encontradas na territorialização do eucalipto na região leste de Mato Grosso do Sul.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-11-10

Como Citar

Camacho, R. S. (2012). A INSUSTENTABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL DO AGRONEGÓCIO: A TERRITORIALIZAÇÃO DO COMPLEXO CELULOSE-PAPEL NA REGIÃO LESTE DE MATO GROSSO DO SUL. Periódico Eletrônico Fórum Ambiental Da Alta Paulista, 8(7). https://doi.org/10.17271/19800827872012327