A FRAGILIDADE AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM JARDIM, BRASILÂNDIA/MS.

Autores

  • Gustavo Henrique de Oliveira
  • André Luiz Pinto
  • Gilberto da Silva Lorencetti

DOI:

https://doi.org/10.17271/19800827922013632

Resumo

RESUMO: O presente trabalho visa ressaltar a importância dos estudos em bacias hidrográficas como unidade de estudo físico-paisagísticos compostas por elementos interdependentes capazes de serem mensurados e zoneados. Na bacia do córrego Bom Jardim localizada dentro dos limites municipais de Brasilândia/MS, ocorrem diversos tipos de processos erosivos tanto de âmbito laminar quanto linear que por sua vez transportam sedimentos das vertentes da bacia para o leito de seu canal principal e seus afluentes. Nesse sentido objetivou-se demonstrar a importância da compreensão dos fatores físicos principais constituintes em uma bacia a fim de compará-los e correlacioná-los obtendo assim de forma adaptada os níveis de Fragilidade Potencial e Ambiental ao qual a mesma está sujeita. Faz-se necessário, portanto uma análise sintetizada dos dados advindos de mapeamentos temáticos de Declividade, Solos, Geologia, Pluviometria e áreas especiais denominadas aqui de Áreas de Prioridade Biológica de conservação para uma melhor compreensão da evolução dos diferentes processos geológico-geomorfológicos averiguados na bacia e que afetam a mesma deixando-a com baixos e/ou altos níveis de vulnerabilidade ou fragilidade. O produto final da sintetização desses dados pode servir de base para a construção de um planejamento ou plano de manejo que identifique os processos que afetam o meio físico natural da bacia como um todo.

 

 

Palavras-chave: Geoprocessamento; Bacia Hidrográfica; Fragilidade Ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-11-10

Como Citar

Henrique de Oliveira, G., Luiz Pinto, A., & da Silva Lorencetti, G. (2013). A FRAGILIDADE AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM JARDIM, BRASILÂNDIA/MS. Periódico Eletrônico Fórum Ambiental Da Alta Paulista, 9(2). https://doi.org/10.17271/19800827922013632

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)